quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Luvas de couro.

Era doida, a Barbara. A menina de cabelos curtos e cinzas que trabalhava naquele balcão cheio de doces, com alguns vinte tipos de cigarros para vender.
Vivia espiando pela a entrada da direita, o que o moço dos olhos azuis fazia. Trabalhava em uma borracharia quase de frente, passava com os carros pra lá e pra cá toda hora. Segurava seu cigarro nos lábios enquanto rolava alguns pneus pela calçada.
Na cara de pau, levantou-se do banco alto que ficava, e foi até a porta, olhar sem querer o movimento daquela avenida, ver se não topava com olhos claros por lá. Foi ai que então viu o desejado cara, entrar no carro que seu padrasto usava para trabalho e enfia-lo dentro da borracharia. Uma alegria subita lhe dominou e só esperou pelo momento.
Passou uma hora, e ela havia esquecido daquela cena, se perdendo entre paginas de um livro; ah Barbara adorava ler. E mais nem menos ouviu aquele ronco conhecido, o  tal carro, estacionando atras dela, somente com uma parede lhe separando.... Nem menos que três segundos, seu pensamento foi realizado.
Olhando para o seu lado esquerdo, um pouco para cima, ela os encontrou, os olhos azuis! A mão dentro de uma luva preta de couro lhe entregou a chave do veículo, o sorriso mais branco que já virá antes, os olhos, uma piscada. "Ele piscou pra mim, filho da puta sem mais nem menos, agora saiu.... com o sorriso na cara, ele sabe o poder que tem"
Ganhou o dia! de costume bagunçou seus pequenos fios cinzas de cabelo, e continuou a ler seu livro... com uma diferença agora, ela não se perdera entre a história .. mas sim nos olhos azuis.

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Vá a merda.

Novembro foi passando e automaticamente já fui me enganando. Automaticamente deixei de contar os dias, ver a hora, ou até mesmo procrastinar vendo os minutos passarem, nas tardes tediosas de domingo.
No trabalho marcando muitos preços em fichas, sou obrigada a saber o dia, o mês. Chegou Dezembro. Tão esperado Dezembro. Onde todas as pessoas se desesperam pelos presentes, para comprar, dar, ser presenteado. Enquanto outras tantas se vem passando fome, numa casa repugnante, sem mesmo um forro, onde dormem com a chuva, com os bichos escrotos, com a poeira da ignorancia da sociedade.
Para os demais, a mesa farta, o peru amarrado pelas pernas e assado dentro de um metal reluzente e quente. O chocolate, o vinho, os fogos. Quanto dinheiro queimado.
Via os dias mas não me animava, fingia não ver, e por alguns momentos, de tanto enganar, realmente cheguei a não ve-los muito. Passavam despercebidos. Passavam como água... por ai, sem gosto, sem cheiro, sem cor.
Mas já? Dia vinte e quatro? É amanhã? Véspera de Natal.
A tristeza tomou conta das entranhas. Do corpo, da alma, do coração. A respiração se ofegou, os olhos secaram, o corpo foi paralizado pelo simples fato: é Natal.
A santa ceia. Confraternização, sorrisos maléficos. A esperança de uma noite tranquila, se foi.
Então chegou a tal meia noite, que todos esperam como se fossem cachorros, vendo suas cadelas no cil. Os fogos, o dinheiro pegando fogo, o barulho que faz todos os cachorros latirem e ficarem putos, simplismente por ter seus timpanos serem perturbados por aquele estrondo. Passe logo, passe logo meia noite. Deixe-me sozinha em paz, no meu quarto, com a garrafa de vinho e meus filmes.
Quatro horas da manhã então, me deitei. Acabará de ver toda uma série de um filme famoso demais, ilusório demais...Bom, para se assistir no dia de Natal.
Todos com o sorriso pregado no rosto, ignorei o fato não ficando em casa.
Enganando a vista, a sabedoria, a memória, novamente a contagem dos dias, logo mais chega o Ano Novo.
Mas uma véspera maldita, mas uma esperada pela meia noite, mais dinheiro queimado em forma de luzes fluorecentes queimada na negritude da noite. Ao menos isso representa dias novos. A chegada de mais um ano, um pouco mais de velhice. Talvez até mesmo uma chegada mais próxima da morte para um reencontro.
Feliz Natal e um próspero Ano Novo.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Dores.

Ah, meu corpo
Já não aguenta mais com o próprio peso
Com a canseira que esses dias tem o pesado
Com os versos duros que anda escutado
Com as cenas que olhos gravam e gelam,
Como se fossem fotografias velhas, que vem dolorosamente do passado.

Ah, meu corpo
Já não aguenta mais a repugnancia
A violencia dos atos que eram para serem tão simples
A ignorancia dos ignorantes que assim se fazem.

Ah, meu corpo
Pede a bebida
Pede o vinho quente que queima a própria garganta
Pede o cigarro que inala as narinas
Pede a dança lenta
Pede um amor.

Ah, meu corpo
Morre de tanto desejar.
Morre de tanto esperar.
Morre por se suportar.


domingo, 5 de dezembro de 2010

Time to pretend (MGMT)


Estou me sentindo como rascunho, estou me sentindo inexperiente, estou no auge da minha vida.
Vamos fazer algumas músicas, fazer algum dinheiro, encontrar algumas modelos para esposas.
Vou me mudar para Paris, vou atirar algumas heroínas e transar com as estrelas.
Você gerencia a ilha e da cocaína e dos carros elegantes.

Esta é a nossa decisão de viver rápido e morrer jovem.
Nós tivemos a visão, agora vamos nos divertir um pouco.
Sim, é esmagador, mas o que mais podemos fazer?
Arranjar empregos em escritórios e acordar para a manhã?

Esqueça os nossos irmãos e nossos amigos.
Estamos destinados a fingir.

Vou sentir falta dos parques infantis e os animais e desenterrar vermes.
Vou sentir falta do conforto da minha mãe e do peso do mundo.
Vou sentir falta da minha irmã, sentir falta do meu pai, meu cachorro e minha casa.
Sim, eu vou sentir falta do aborrecimento, da liberdade e do tempo gasto sozinho.

Mas não há nada, nada podemos fazer.
O amor deve ser esquecido. a vida sempre pode começar de novo.
As modelos terão filhos, nós vamos começar um divórcio,
Nós vamos encontrar algumas outras modelos, tudo deve seguir seu curso.

Nós vamos asfixiar no nosso vômito e esse será o fim.
Estamos destinados a fingir.

                                                                              MGMT- Time to pretend

http://www.youtube.com/watch?v=A_OUqukBHT0

Coca-cola

Vamos lá! Quem precisa de tanta coisa nessa vida? Há, todos seu bocó!
Todos querem tudo demais ao extremo do exagero!
Vamos tentar escrever tudo sem uma virgula.
Todos querem tudo demais ao extremo do exagero ridiculo do genero banal do termo escroto do saco do seu pai que tem pelos fedidos que sua mãe já lembeu!
Bom, não era muito bem ai que queria chegar, mas quem se importa? Quem se importa?
Vamos lá! Isso não é o fim do mundo. Há, para muitos são.
Pega lá o cigarro Pedro! Vamos beber muito e morrer de cirrose!

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Boa noite.

Boa noite, caro senhores e senhoras. Meninos e meninas. Jovens, moças.
Estou aqui nesta noite de criança, neste tempo quente, neste quarto abafado.
Sonhando amores, que vão, vem, se esvaiam...
Sonhando com humores, risos.
Sonhando no que escrever, no que ler.
O cheiro do livro novo, que vem ao folhear rapidamente... O Vendedor de Sonhos.

Boa noite, caro senhores.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Super Homens

Talvez todos precisemos de um super homem.
Acordei pensando se eu precisa trabalhar naquele horario, ou não.
Não. Eu não precisava, mais dali uma hora me acordaram com barulho demais, me desconfortando do travesseiro.
Mas uma manhã sentada, em um caixa, atendendo pessoas com um sorriso, simplismente "forçado", para os que não o merecem a tanto.
De alguns já ganhei simpatia, então chega a ser agradavel.
E é engraçado, como muitas pessoas são simpáticas, e outras entanto, arrogantes.

ps: e enquanto Johnny Alcapone quase morria, com sua lingua ficando roxa, o sapo nadava na piscina.

E isso não é irônico? Você não acha?

sábado, 20 de novembro de 2010

torradas de alho.

Os olhos ardem de olhar tanto para essa tela. Por mais que não me mostre nada de interesse, fixa, e espera algum ato acontecer. Algo que me prenda mais ainda, do que nessa só simples tela insignificante.
Não há nada. Nada.
E por que me prendes assim?
Solta uma luz com cores.
Solta imagens e palavras incorretas.
Tarde de sabado... tarde de domingo.
Chega noite, chega.
Me traga aquele copo de bebida e algumas risadas fingidas.
Me traga amores iludidos e tesões proibidos.
Me traga vicios.
Mas enquanto isso, como torradas de alho.


quinta-feira, 11 de novembro de 2010

O amor e a razão

Pinta-se o amor sempre menino, porque ainda que passe dos sete anos [...], nunca chega à idade de uso da razão. Usar da razão e amar são duas coisas que não se juntam. A alma de um menino, que vem a ser? Uma vontade com afetos e um entendimento sem uso. Tal é o amor vulgar. Tudo conquista o amor, quando conquista uma alma, porém o primeiro rendido é o entendimento. Ninguém teve a vontade febricitante, que não tivesse o entendimento frenético. O amor deixará de variar, se for firme, mas não deixará de tresvariar, se é amor. Nunca o fogo abrasou o entendimento. Nunca houve enfermidade no coração, que não houvesse fraqueza no juízo.

                                                                                Pe. Antônio Vieira

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Fly Away

Não é mais questão de querer,
É questão de precisar.
E se eu ando em caminhos não tracejados, parabéns á mim,
estou traçando um caminho novo.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

A noite.

A vontade de ter vicios
A vontade de sentir meu corpo se libertar
A vontade de deixar de te amar
A vontade de querer explorar
A vontade de te encontrar.

domingo, 31 de outubro de 2010

Segunda-feira.

"Pedro! Acorda muleque!" "Pedro você ainda não levantou? vem me ajudar aqui na cozinha, anda!"
"Menino irresponsável, já disse pra sair da droga da cama!"
Inferno, as pessoas adorão o fato de eu estar dormindo e vir com aquele tom de voz impertinente, me tirar do conforto.
Conforto....
"você está mesmo saindo com ele? sério que ele tem um Meriva? Meu Deus, você não é nada boba hein..."
Sério mesmo que hoje o carro é mais importante que a pessoa? Que o valor material, vale mais que sentimentos? Que uma festa com pessoas repugnantes vale mais que uma tranquilidade e um bom filme francês?
As vezes vale mais uma taça de vinho comum, sozinho, do que um Red Label com "os" amigos.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Manhã

Nove horas e cinquenta e oito minutos, ele se refugiava de todos dentro de uma sala amarela, de uma escola azul. Pedro optou por ser assim mesmo, cansado dos palhaços e com a bunda achatada, por ficar sentado na cadeira ruim daquele circo.
Não sabe quase nada de matemática, então se deprimi, se sentindo burro demais, comparado aos seus colegas. Dali sete dias, a tal prova de calculos..."Ache os valores reais de M e N (m#0 e n#0) que tornam verdadeira igualdade..."
Babaquisse.
Já tão cansado das pessoas, que se mostrão desisteressantes demais. Agora cansado, sozinho, no seu canto, matutando calculos mal explicados.
"Pedro, vem ver que coisa estranha"..."Calma, não sai da sala"
Falar mal das pessoas. Já tão exausto e ainda tem que ouvir falarem mal das pessoas.
Não perdeu seu tempo. "É, estranho"
Sentou-se, calou-se, escreveu.
Dez horas e quatro minutos. Todos voltam. Aula de português.



Mas, falando um pouco da Pi. Ela está bem =]

domingo, 24 de outubro de 2010

Romances.

Domingo é um ótimo dia para fazer a arte de procrastinar e dormir.
Todos dormem, enquanto a unica coisa que se escuta, são as janelas de madeira, que se batem com o vento.
Tudo é chato demais em um domingo, onde não se tem um romance, a não ser os filmes franceses, que assisto.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

03:45pm

Chegou. Pegou pela nuca e puxou os cabelos curtos. Olhou fixamente nos olhos castanhos escuros.
O agarrou. Deixando marcas de unhas pelas costas, ofegante. Parou!
Arrancou. E todas as roupas foram ficando pelo chão, aos cantos.
Nus. Os corpos se encontraram, quentes.
Boca com boca.

Fim.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Só os loucos sabem.

Eu segurei minhas lágrimas, pois não queria demonstrar a emoção
Já que estava ali só para observar e aprender um pouco mais sobre a percepção
Eles dizem que é impossivel encontrar o amor sem perder a razão
Mas pra quem tem pensamento forte, o IMPOSSIVEL É SÓ QUESTÃO DE OPINIÃO!

E disso os loucos sabem. Só os loucos sabem.
                                                                                        Cbjr- Só os loucos sabem.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Estar bem.

Seja com um só sorriso no rosto, ou no olhar, a sensação de estar bem é tão magnifica, que você pode sentir seu corpo flutuar.
Ter a sensação de propriamente se amar.

=)

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Acontecimentos estranhos.

E já parou pra pensar, quantos puns as pessoas soltam do seu lado, ou quantos puns são soltos em um lado só da rua?
E quantos puns você solta em lugares públicos, com aquela leve preocupação: "será que vai feder?"
Estranho não é mesmo?
E coceiras em lugares restritos? Não é terrivel? Então você começa a rebolar mais que o normal enquanto anda.
Coceira no meio das costas! Você nunca alcança com as próprias mãos! E geralmente você está com aquela roupa mais justa... na escola cheio de roupas de frio.
Pega logo a caneta ou a régua, e coça lá.
Resfriado. É a maldição para a preocupação. "Ai será que tem ranho no meu nariz?" " Por que tão olhando pro meu nariz?" Ai você começa com aquele suga suga que mais parece que você cheirou um pó, do que outra coisa!
Mas pior que o ranho, é a casquinha dura.
Por que, puts! Quando o trocinho fica duro, parece que tem uma agulha dentro do seu nariz. E não é horrivel?
Exclusivo para as mulheres, ou se existe algum homem aí com esse tipo de recurso natural femenino, rs, menstruação! "Meu deus, será que minha calça manchou? Aiii manchou! tá todo mundo olhando."
Esses acontecimentos... coisas estranhas não?
E dar aquele cagão em lugar publico? Jesus.
Você tá lá no seu rolé no shopping, acabou de comer seu mc'GIGANTE, e dá aquela vontade de dar aquela cagada. E agora? No banheiro? Todos saberão que foi você!
Eu particularmente, não consigo. ahushuahsua.
Foda.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Augusto Frederico Schmidt

|

Daqui a trezentos anos
Não existirei mais.

Outros amarão e serão amados,
Outros terão livrarias católicas,
Outros escreverão no suplemento de domingo dos jornais:
Eu não existirei mais.

Seja, não importa, Senhor!
Sou um pobre gordo.
Mas sei que eles também não serão felizes.

Eu sim, o serei então,
Quando debaixo da terra, magro, magro, só ossos,
Não existir mais.

||

Há muito o meu coração está seco,
Há muito a tristeza do abandono,
A desolação das coisas práticas
Entrou em mim, me diminuindo.
Porém de repente será talvez a contemplação
De um céu noturno como mais belo não vi,
Com estrelas de um brilho incrível,
De uma pureza incalculável, incrível.

A poesia voltará de novo ao meu coração
Como a chuva caindo na terra queimada.
Como o sol clareando a tristeza das cidades,
Das ruas, dos quintas, dos tristes e dos doentes.

A poesia voltará de novo, única solução para mim,
Única solução para o peso dos meus desenganos,
Depois de todas as soluções terem falhado:
O amor, os seguros, a água, a borracha.

A poesia voltará de novo, consoladora e boa,
Com uma frescura de mãos santas de virgem,
Com uma bondade de heroísmos terríveis,
Com uma violência de convicções inabaláveis,
Com uma violência de convicções inabaláveis.

Verei fugir todas as minhas amargas queixas de repente.
Tudo me parecerá de novo exato, sólido, reto.
A poesia restabelecerá em mim o equilíbrio perdido.
A poesia cairá em mim como um raio.
                      
                                                                                  Augusto Frederico Schmidt

sábado, 25 de setembro de 2010

Procrastinar.

Acordei e então pensei: "limparei meu quarto e darei banho no meu cachorro"
No fim acabei tomando o meu café da manhã, jogando video game com meu irmão e sentando na mesa do computador.
Pensei: "jogarei só mais essa, e limparei meu quarto e darei banho no meu cachorro"
E então acabei os deveres de olhar meu irmão e fui para meu quarto ouvir uma musica bem alta e pensei.... "agora vou limpar meu quarto e depois dar banho no meu cachorro"
Indo para a cozinha procurar qualquer coisa pensei: "vou almoçar na frente do computador vendo um filme", as 14h de uma tarde de sabado! e então vendo o filme pensei: "logo que acabar aqui vou limpar meu quarto e dar o banho no meu cachorro"
E então o filme acabou, uma vontade de ouvir musica veio... pessoas me chamaram no msn, as reclamações..."odeio final de semana... hoje esta uma merda...." "tenho que limpar meu quarto e dar banho no meu cachorro"
então gritando as musicas que bem alto estouram meus timpanos aos poucos.. penso...
Eu não fiz!
Procrastino a tarde toda, de uma tarde de sabado!
Afinal, eu preciso limpar meu quarto e dar banho no meu cachorro.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Esperanças de Holden.

Viver esperando muito das pessoas, não é um sumo bem.
E mesmo que ela te ame, nem todo o amor é perfeito, e nem toda pessoa, também.
Elas falham, os seres humanos falham.
E no dia seguinte te dão qualquer desculpa esfarrapada demais, para que você não possa reclamar tanto, ou se cale na duvida.
Eu já, acredito mais, em seguir a vida sem esperar nada de ninguém, nunca!
É melhor assim não é?
Tava lendo meu livro sentado naquela praça cheia de folhas no chão, daquela arvore que enchia a borda do meu chapéu, de petalas amarelas, e algumas folhinhas secas...
Um casal brigava, um casal acabará de se separar.
E olha que sumo bem.
Os dois acabará de ganhar o melhor presente que a vida nos dá.
A LIBERDADE!
Só eles que não sabiam.

Felicidade.

Não precisa de muito pra isso, não é?

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

É tão bom...

É tão bom quando tudo dá certo, sonhei com quem quero e desperto feliz.
Corre o dia normal e me espera, me leva tão leve aonde tenho que ir.
Conversar com as pessoas sem pressa, ouvindo quem fala sem se preocupar, com o que vai perguntar a seguir, o que vai responder, simplismente ouvir.
Respirar com o corpo inteiro, se livrar de algum medo, tocar de bem com a vida, descubrir que a beleza está muito mais no olhar.
É tão bom quando tudo dá certo!

                                                                              Boca Livre

Enfim...

E eu tento.
Eu tento ser um ser humano normal, mas meus atos, caras e bocas, ou até mesmo o meu modo mediocre de ser, não deixa.
Eu não penso naturalmente, por que sou impulsionada pela minha insanidade.
Eu não falo naturalmente, por que sou levada aos meus pensamentos sujos.
Eu não ando naturalmente, por que sou carregada pelo som que toca no fundo de meus ouvidos.
Eu não ajo corretamente, por que minha alma agitada e mal resolvida não permite.

Eu não sou um ser humano normal, por que de normal, já existe o mundo todo! E seu medo de sair da caverna para destruir a banalidade que é a formalidade.

sábado, 18 de setembro de 2010

Burrice.

Sabe quando você deve calar a sua boca, ou simplismente não abri-la, mas abre?
O que você ganha depois disso é a vergonha dentro de si, e as paranóias... "o que esta pensando de mim?"

Acho que a bebida me envolveu muito, e meu impulso foi além de meus atos.
Acho que está na hora de eu parar para respirar.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Delirante.

Daqui eu posso ver o céu escuro, sem muitas estrelas, e ouvir os carros e caminhões que passam na pista. Aquele pequeno susurro de vai e vem.
O barulhinho da coleira do meu cachorro se faz, toda vez que ele muda a cabeça para o pote de água para o da ração.
E é engraçado.
Queria mesmo era deitar em um gramado, longe daqui, onde o céu fosse limpo e ficar olhando para estrelas, como acontece naqueles filmes de romance, que o casal apaixonado fica de mãos dadas.. após um beijo.
O problema, é que é só eu. E não um casal.
Então qual seria a graça?
A pessoa da qual estou apaixonada...
É delirante.
Há muito tempo não sentia esse sentimento de adolescente.
Sabe, quando você fica pensando na pessoa, e ouvindo musicas, que você escutava quando teve sua primeira conversa com ela.. E fica criando cenas na cabeça... imaginando beijos, palavras.
Mas, ele, porém, não sabe disso. Prefiro que não saiba.
Vai que daqui uma semana ou duas passe.
Vai que falo demais e me arrependo.
Por que sinceramente, não serei correspondida.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Desanimo.

Quando eu acho que tudo esta ficando bem, tudo esta piorando a cada dia mais.
Quando eu acho que meu corpo esta se recuperando, ele toma outra pancada, e recai.
Quando eu acho que meus pensamentos estão formando uma linha, outra linha o cruza, e forma um nó.
Quando eu acho que teria um sorriso verdadeiro em minha face, derramo lágrimas.
Quando eu vou tomar a atitude.... ME JOGAM FORA!


quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Quarta-feira.

Ontem eu reclamava "puts hj ainda é terça, amanhã ainda é quarta!"
Um dia faz muita diferença.
Hoje, quarta-feira, eu penso: "puts, amanhã já é quinta"
E por ai vai esses pensamentos banais.
Um dia...
Um dia pode ser bem proveitoso se você quiser.
Um dia pode ser útil para muitas coisas... se você quiser.
Tava andando pelas ruas do centro, e vi um moço... bonito, claro, se não, não o citaria aqui.
E ele me olhou.... bastante.
E começou a andar atrás de mim com um amigo.
Engraçado essas situações que nos deixam encabuladas né?
Eu não queria olhar para trás por nada que fosse mais sagrado...
Mas no fundo, eu queria. rs
Um dia talvez eu encontre a pessoa certa para mim, como muitas pessoas esperam que aconteça...
Ou não.
Vai saber?
Acho que estou apaixonada.
Mas é segredo.
Xiuuuuuu!

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Hoje.

Não dormi bem, de fato. Então acordei cedo demais agradecendo que ainda era cedo, e podia tirar mais duas horas de sono. E eu escutava meu cachorro roncar.
Na verdade, ele roubava todo meu travisseiro.
Não achei ruim. Ele estava limpo, de banho tomado, e com uma coleira dessas, tipicas de bulldog, vermelhas...
Então acordei novamente. Bebada de sono, bebada de cansaço... eu não dormi droga, sinto meu corpo vagar.
Eu passava as mãos pelos meus seios, os sentia quentes demais.
Eu passava calor.
E então adormeci, e tive sonhos dos quais não me lembro.... lembranças das quais não queria, um nervoso bateu no peito.
Acordei novamente.
E então nesse momento que deveria permanecer acordada, para logo me arrumar, dormi, e então, perdi o meu horario.
Acordei um tanto,então, finalmente, atrasada, desesperada para por qualquer roupa, tomar meu leite quente e ir para a escola.
Hoje não iria de carro, e chegaria na frente da escola dentro daquele ilustre automóvel, brilhante.
Iria escutando um som, na minha bicicleta, que com dificuldades, e com a ajuda de todos, me deram em uma época que precisava.
E então fui andando ainda com sono, preocupada com meu cachorro que me seguiu até o portão, pela rua.
Entrei na nossa padaria, deixei a bicicleta nos fundos, e então, topei com minha mãe sorrindo feito uma criança que acabará de ganhar um doce, feliz por ter a padaria reenaugurada!
Bonita, nova, com vários tipos de pães nas vitrines, esperando por clientes e clientes.
Fui para a escola.
Vi pessoas.
Critiquei, ri, fiz as poucas lições que se passam nessas escolas estaduais, vi olhares avesos.
Me senti comentada, me senti calma, recebi um abraço.
Tocou o sinal, e fui embora.
Boa tarde.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Estou cansada.

Não é todos os dias que acordamos alto astral, com disposição suficiente, para sorrir e dizer a todos que estamos bem.
Ao contrário.
Tem dias que queremos acordar e permanecer na cama, embaixo de cobertas, até não suportar mais a idéia de ser tão repugnante.
Eu me canso também.
Não é que eu seja patética, e diga que estou em depressão, e que minha vida esteja uma merda...
Mas quando tudo caminha bem, sempre aparece o alguém, que desfaz tudo, o que com muito esforço,  construimos.
Isso desanima, nos leva pra um buraco fundo, um lugar imundo, que não tem escadas ou cordas, que te façam ao menos, ter vontade, de subir.
E talvez o dia que alcance o topo, você tenha vontade de mudar.

Não é que eu queira atenção, e pessoas me perguntando o que esta acontecendo.
É que as vezes a solidão também nos cura.
A pressão que nos colocam, o tanto que cobram da gente, nos leva a crer, que nada que façamos, nos tras algum bem maior algum dia?
Tras!
Mas do que valhe?

Estou cansada.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Uma verdade....

"Sonhará uns amores de romance, quase impossíveis? digo-lhe que faz mal, que é melhor contentar-se com a realidade; se ela não é brilhante como os sonhos, tem pelo menos a vantagem de existir."

                                                                                                                 Machado de Assis

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

I feel so good today.

Que bom olhar pro lado e encontrar você
Depois de tantas chances perdidas
Eu quero esperar pelo amanhecer
Eu quero ver o sol refletindo em você
Basta eu olhar pra você
Fica tudo em evidências

Corpos livres, mentes perdidas
Gente que ainda sonha com uma nova vida
Tudo é simples, calmo, visto de cima
O mundo é grande mas é só uma ilha

Mas o que me interessa é você
Temos a nossa frequência.

Tente entender, tente me fazer entender
Quero num dia mais lindo, estar ao seu lado!

                                                                          Cbjr- I feel so good today

Saudades.

De um mês pra cá, descobri, e tive certeza, que a saudade é o pior sentimento que o ser humano pode sentir.
Mesmo que a raiva te coma por dentro, o ódio faça você cometer os piores atos, a tristeza faça com que você chore, todos passam.

Já a saudade, fica na sua mente, na sua alma, no seu peito, ela dói, as vezes foge, mas sempre volta. Sempre te golpeia, sempre te derruba.
E ela sim, causa lágrimas verdadeiras, que se derramam com sentido... e faz você enxergar que a vida é curta, com relação á tanta coisa...
E se você não a aproveita, você a perde, pois o tempo passa tão rápido.

Esperar por uma semana é rápido.
Que um mês passe, é rápido.
Tudo em tempos é tão "facil"

Mas esperar que a morte lhe venha pra que você possa encontrar a pessoa amada...
É tão dificil.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

A vida assim nos afeiçoa.

Se fosse dor tudo na vida,
Seria a morte o sumo bem.
Libertadora apetecida,
A alma dir-lhe-ia, anciosa:- "Vem!"

"Quer para a bem-aventurança
"Leves de um mundo espiritual
"A minha essência, onde a esperança
"Põs o seu hálito vital;

"Quer, no mistério que te esconde,
"Tu sejas, tão-somente, o fim:
"-Olvido imperturbável, onde
"Não restará nada de mim!"

Mas horas há que marcam fundo...
Feitas, em cada um de nós,
De eternidade de segundo,
Cuja saudade extingue a voz.

Ao nosso ouvido, embaladora,
A ama de todos os mortais,
A esperança prometedora,
Segreda coisas irreais.

E a vida vai tecendo laços
Quase impossiveis de romper:
Tudo o que amamos são pedaços
Vivos do nosso próprio ser.

A vida assim nos afeiçoa,
Prende. Antes fosse toda fiel!
Que ao se mostrar às vezes boa,
Ela requinta em ser cruel...

                                                          Manuel Bandeira.








segunda-feira, 16 de agosto de 2010

=/

Eu estou bem acordado e tão vivo

Como um toque de campainha
Me diga que este é o paraíso
e não um lugar qualquer onde eu caí
Porque eu continuo caindo

Quero sentir a batida de carro
Quero sentir o capotar
Quero sentir a bomba cair, a terra parar até que eu esteja satisfeito
Quero sentir a batida de carro
Porque eu estou morrendo por dentro
Eu quero seguir e eu sei que vou ficar bem, bem

Me empurre até que eu tenha de voar
Eu derramei minha pele, minhas cicatrizes
me leve ao fundo para além das luzes
Nada escurece estas estrelas
Nada escurece estas estrelas

Quero sentir a batida de carro
Quero sentir o capotar
Quero sentir a bomba cair, a terra parar até que eu esteja satisfeito
Quero sentir a batida de carro
Porque eu estou morrendo por dentro
Eu quero seguir e eu sei que vou ficar bem, bem

Esta tudo certo
está tudo errado

Eu estou bem acordado e tão vivo
Quero sentir a batida de carro
Quero sentir o capotar
Quero sentir a bomba cair, a terra parar até que eu esteja satisfeito
Quero sentir a batida de carro
Porque eu estou morrendo por dentro
Eu quero seguir e eu sei que vou ficar bem, bem


terça-feira, 10 de agosto de 2010

De "O profeta"

E uma mulher que trazia ao colo uma criança
Pediu: "Fala-nos das crianças."
E ele disse:
"Vossos filhos não são vossos filhos:
São os filhos e filhas da saudade que a Vida sente de si mesma.
Vêm por meio de vós, mas não de vós,
E ainda que estejam convosco, não nos pertencem.
Podeis dar-lhes o vosso amor, não o vosso pensamento,
Pois eles têm o seu próprio pensar.
Podeis dar agasalho aos seus corpos, não porém às suas almas,
Porque as suas almas se vão acolher num amanhã que não
                              [podeis visitar nem mesmo em sonhos.
Podeis desejar ser como eles, mas não tentar fazê-los parecidos
                                                                                [convosco.
Porque a vida não retrocede nem se detém no dia de ontem."

                                                                                          Kahlil Gibran

segunda-feira, 26 de julho de 2010

21 dias.

Faz 21 dias que não o tenho mais aqui, nesse mundo estupido.
A vida é realmente sem sentido nenhum.
Ela lhe dá a uma pessoa, a qual vc ama mais que tudo, incondicionalmente, e a tira, em um acidente de moto estupido, sem sentido, sem explicação.

As pessoas dão valor á coisas que não merece a tal.

Roupas caras, aparelhos com alta tecnologia, dinheiro...
Quando você perde á alguem, você vê que tudo isso, que talvez seu avós te digam, é verdade.
Nada valhe merda nenhuma.

Ele me deixou aparelhos caros, e dinheiro.

Ele me deixou somente a lembrança de seu sorriso e sua risada alta.
Sua paixão pela musica.
Sua voz,
seu amor por mim.

Ele me deixou as saudades que me mata por dentro.
Ele me deixou aqui... esperando agora me encontrar lá!

Agora me diz, do que vale objetos caros e idiotas?

Eu te amo incondicionalmente pai! Pra sempre.
Sou sua Porcolintcha. Seu fiote dos passalinhos.

TE AMO PAI!

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Oi.

Eu fico bem e tento não me estressar. Respire Pietra, respire.
Tenho um novo filhote. O mais novo membro da familia, e tão meu quanto mais de ninguém, Johny Alcapone.
O bulldog mais arteiro do mundo.
Que felicidade. =]

É, estava esperando ir dormir bem, mas sempre que fuço muito em coisas proximas encontro o que não gostaria de encontrar...
É tão chato isso.

Tenho sono, mas por um lado nao quero dormir.
Acho que vou ver TV.

Sim eu vou.

Boa noite.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

É sem graça.

É sem graça eu ter passado o dia todo no computador.
É sem graça eu ter passado o dia todo sentada ou deitada na cama.
É sem graça não poder mais ouvi-lo.
É sem graça não receber mais as mensagens dizendo: "te amo filhota!"
É sem graça não te-lo mais aqui.
Só tem graça, saber que ele está melhor que todos, que ele agora é um anjo, mais do que era em terra.

Não estou nos meus melhores dias.
Te amo porcolintcho.
Mais que minha própria vida.
Pra sempre.

domingo, 11 de julho de 2010


TE AMO PORCOLINTHO! MUITO, MAIS QUE TUDO, PRA SEMPRE!!!!

"Viemos numa nave cor da noite, que ninguém notou."

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Nada para fazer.

Não tem exatamente nada pra fazer.
E isso transtorna o meu dia.
Faz dele um dia completamente chato.
Já entrei e sai do MSN pra ver se alguém que converse comigo esta online, mas nada.
Já abri a geladeira umas 10 vezes, mas nada.
Não há nada bom pra comer.
Não há nada bom na internet.
Eu já ouvi todos os CD's que tenho, no meu quarto.
Eu já dancei na frente do espelho.
Já dublei todas as musicas do CD da Shakira.
Já rebolei escutando "Ojos asi"
Ja vi todos os canais da Sky, em 2 min.
Já andei pela casa inteira umas 5 vezes.
E nada.
Nada!
E o pior é que estou com fome, e não tem NADA!
Puts mãe! vamo dar um rolé no mercado.

Hoje eu tava com vontade de comer torta de limão, e por culpa do jogo do Brasil,  jogo maldito, onde nosso país perdeu, minha mãe se resusou a ir buscar a torta de limão. --'
Só por que o Brasil perdeu, e ela estava muito triste.
Então ela começou a fazer as unhas.

Quarta-feira fui pra Rio Claro, e assisti Eclipse.
Terceira história da saga Crepusculo.
E toda vez que assisto esses filmes, meus dias seguintes são meio deprimentes, por ver a minha realidade,
comparada a toda a história narrada e passada naquelas telas gigantes.
ó! que trágico!

Nada pra fazer... Jesus, me dá uma luz!
Queria ir tomar banho, mas minha casa é tão gelada, a ponto de me tirar a coragem pra fazer isso.
Meus dedos estão duros de frio, e estralam 5 vezes á cada uma só apertada.
Não é engraçado?
Eu acho.


 fotografia  por Pietra Cardoso

Jogo do Brasil.

Neste momento esta ocorrendo o jogo do Brasil.
Eu não sei por que, mas não estou assistindo.
Na verdade, não sou muito ligada a futebol.
Não vejo graça.
Qual é a graça?
Para muitos homens, algum ser dizer isso, é o absurdo dos absurdos.
Mas é que pra mim... poxa, são homens, atrás de uma unica bola.
rsrs.
Ok, posso estar sendo um tanto quanto sinica...
Mas é o meu ponto de ver.

Acordei meio tarde... o jogo já tinha até começado.
Mas o bom de férias é isso mesmo.
A unica coisa que tenho que me livrar agora é das aulas de inglês, de sabado de manhã.
Por que ai, é pra fuder o cu do palhaço.

Ah, outro motivo pra não gostar tanto de futebol,
as pessoas se estressam.
Xingam.
Passam nervoso olhando pra tela.

As vezes chega a ser engraçado.
Mas enfim...

Eu devo ser a pessoa que mais tem sonhos estranhos.
Hoje tive sonhos muitooo estranhos.

Sonhei que meu padrasto, mandara homens em cima de touros e cavalos, me seguir por muito tempo, em um terreno gigante.
E eu ficava passando por cercas de arame farpado para fugir, mas os homens pulavam as cercas também com seus animais.
O bom que eu me lembre que eu pensava no sonhos que era ruim...é que, até os bichos pularem a cerca e voltarem para me pegar, eu já tinha passado pro outro lado novamente...
E na hora que desisti, sentei no chão e chorava muito, muito, ai meu padrasto pediu para que parassem e veio se sentar ao meu lado. o.0
TENSO!

Outra parte do sonho, foi que meu namorado tinha se mudado de cidade, e me maltratava por telefone.
Dizia que voltaria quinta-feira.
Mas nunca dizia qual quinta-feira.
E eu pensava: "talvez eu passe toda a vida esperando por essa quinta-feira..."

Mas essa parte do sonho, deve ter sido, por que antes de dormir, briguei com meu namorado por telefone...
Irônico essas coisas, vc não acha?

Bem, bom dia, e boa sexta!

quarta-feira, 30 de junho de 2010


Ronc, rOnc, ronc.

Quando eu briso.

Todo mundo tem aqueles momentos de brisa.
Mas eu viajo demais.
Conversando com um amigo via internet, conversavamos sobre encontrar desenhos, aonde não tem.
Por exemplo, sempre briso quando estou tomando banho, procurando desenhos no azulejo do banheiro da minha vó.
Ou quando você fica procurando desenho em nuvens, é no mesmo esquema, entende?
Eu faço muitas coisas e fico brisando...
Por exemplo, ler a embalagem do shampoo enquanto tomo banho.
Ficar espremendo a buchinha até sair todo o sabão.
Ficar com o olhar fixado em um lugar, e ver até 4 figuras diferentes na mesma coisa.
Dizer "aham, entendi" na explicação do professor, mas vc não entendeu nada!
Escovar o dente por muito tempo só pra ficar escovando msm...
Fazer bolha de sabão quando a mão ta cheia de sabonete...
Ficar fazendo bolha com o canudinho, quando vc cansou de beber algo...ai fica soprando dentro do copo.
Trocar de canal, seguidamente... por que não tem nada na tv, e vc não tem mais nada o que fazer.
Fazer muita espuma de shampoo no banho, pra ficar passando no corpo.
Continuar sentado na privada, mesmo tendo terminado as necessidades...
Ficar olhando o celular em 3 em 3 minutos pra ver se chegou algo, mesmo sabendo que não chegou...
Atualizar a pagina do orkut, repetidamente, sem parar...
Abrir a geladeira pra pensar...
Procurar coisas no armario da cozinha, que vc sabe que não tem, por que vc já procurou 10 vezes antes...
Ir do quarto pra sala, da sala pra cozinha, da cozinha pro quintal... só pra dar uma andadinha...
Rabiscar alguma coisa enquanto ta no telefone...
Dançar na frente do espelho... haushuahushauhsuas.
É...

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Eu.

Nasci dia 03 de Maio de 1993, em um dia não menos importante para mim, exatamente ás 00:57h, faltando méros 3 minutos, para decidir se seria do dia 04. Mas não foi. Foi do dia 03 mesmo. E isso não é engraçado? Eu acho.
Deste que me lembro, meus pais são separados, eles se separaram quando eu era bem novinha mesmo...o que eu pude fazer não é?rs. Nada. Mas isso, não foi nada que traumatizou a minha infância, nem que me fez ser uma criança revoltada e infeliz.
Lembro que um dia sonhei que eu estava dentro da barriga da minha mãe, mas eu devo ter sonhado isso com uns 5 anos de idade e não me esqueço. Lembro vagamente claro... minha memória não é de elefante...mas lembro. Ai penso? "Eu estava mesmo na barriga da minha mãe!?" Acho que não...como eu me lembraria disso?
Minha maior parte da infância...que me recordo bem, era a época em que eu morava em uma casa de esquina, que ficava de frente com a Skin Cariol... se é assim mesmo que se escreve, que tb ficava de esquina, em frente com a praça do lanche do Zézinho. Eu brincava todo dia na pracinha... no famoso "areião", e andava de bicicleta, quase matando minha avó Graciela do coração... essa era a parte boa da minha infancia...a parte ruim é que eu não lembro muito da minha mãe nela, pelo fato de ela só me levar de manhã na escola (vaca mecânica), e o resto do dia passar trabalhando. Aí eu ficava com a minha avó... e ela me batia por nada, principalmente quando eu colocava musica alta no radio, e ficava dançando na frente do espelho. Eu tinha uma vizinha que se chamava Paulinha, e que tinha um filho chamado Lucas... ele era mais novo que eu, e toda vez que minha avó me batia e gritava, eu sentia vergonha de que a vizinha escutasse. Eu sei que ela escutava.
Os finais de semana que eram gostosos, por que o que eu mais amava, e ainda amo, era ir pra casa da minha avó Nair, mãe do meu pai, e todo final de semana, a gente ia pro rancho no Mogi Guaçu, e meu vô me colocava em cima de vacas, e parava nas estradas, nos pés de laranja, pra gente chupar laranjas em forma de copinho, que minha vó cortava ao meio, e me dava... sempre no fusquinha verde. Até hoje temos o fusquinha. Nessa época ele era verde de capô azul, pq meu pai ou alguém bateu ele, e nao tinha nenhum capô verde de fusca.. ai ficou azul por um tempo. Mas ele é todo verde hoje, ok?
Minha vó Nair é a melhor, não tem o que falar dela, ao contrário da minha não tão amigavel e docil avó Graciela, que já me fez ressucitar na vida, com menos de 1 anos.
Conta meu pai que um dia, ela chegou comigo nos braços, desmaiada, com a cabeça jogada pra trás. Havia me dado mamadeira com muito mel. E eu desmaiei. A enfermeira disse ao meu pai, que se ele não tivesse chegado a tempo, eu não estaria aqui hj. Ou seja, eu teria dado uma morridinha. E isso não é irônico? Eu acho.
Minha avô nunca deixava eu ir com o meu pai, na casa da minha vó Nair, era sempre muita briga. Não gosto de lembrar disso. Só gosto, por que hoje em dia, vou e volto de lá quando quero.
Sempre tem as musicas marcantes da nossa vida né...
Sempre quando eu colocava o som alto na minha casa... que minha vó queria me socar (e socava) era Madonna. Então qualquer faixa que eu escute do album Ray of Light, eu me lembro daquelas tarde.
Eu adorava assistir Pequeno Urso, O Urso Rubert, Cocóricó...enfim.
Eu sempre acreditei em papai noel. Até o dia que em um natal... minha familia pediu pra um troxa se vestir de papai noel e me entregar presentes. o.0 Papai noel nao vinha escondido? E todo babaca que se veste de papai noel, é conhecido da familia, e sempre esta com o famoso óculos preto na cara. --'
Lembro que dele, ou  melhor, da minha mãe, sei lá... ganhei uma barbi que voava. E aquilo para mim era o máximo! Ela voava mano!
Mas pra voar, tinha que rosquiar ela em uma base, que vc apertava um botão, e ela saia voando pra cima, e girando. E qdo apertei o botão, enfiei minha cara na frente, e o que recebi? Um belo corte no nariz, da barbi voadora assassina. Eu nunca mais vi a barbi. Só lembro que vi sangue, e todo mundo desesperado dizendo: "esconde a barbi" "tira a barbi daqui!" Será que a barbi tinha msm vida?
Eu sempre fui um muleque. E quantos tombos de skate, de roller, de bike já não levei. Principalmente descendo a descidinha de trás da unimed ali... rs. E quase morrendo sendo atropelada por alguém na avenida. Enfim... tenho umas cicatrizes para me lembrar.
O que eu mais gostava, era pegar o mega carro rosa cintilante da barbi, amarra-lo em um barbante, e sair correndo, apostando quem ganhava: Eu ou os carros dos meninos? Eu ganhava! =D
Também amarrava sacolinhas plásticas nas minhas barbis, dobravas elas, e jogava a barbi beeeeem alto, e ela caia de pará-quedas. Triste, era quando enroscava nos fios de eletrecidade, ai ficava com o cortador de arvore do meu vô, tentando pegar a barbi e os max steel.
Eu ganhei uma vez, um cachorro de pelúcia do meu pai, que hoje fica aqui em casa jogado por ai, por que alguém, sem minha autorização, deu pro meu irmão. Qualquer dia eu roubo e escondo. o.0
Ninguém tá assistindo o jogo na sala, e fica esse barulho de vuvuzelas na minha cabeça... infenro.
Voltando para a minha infância, e fatos marcantes dela...
Foi quando eu me mudei para a Jambeiro Costa, na época que minha mãe casou com o padeiro, e moramos ao lado da padaria, por uns belos... 10 anos?
Acho que da São joão, morei em umas 5 casa, praticamente no mesmo quarteirão, minha vó Graciela, como hoje, era louca.
Enfim...ai me mudei pra Jambeiro depois da ultima casa de esquina, de frente com a Skin...
E o bom de morar ao lado da padaria, era por que era uma padaria, e eu comia o tempo todo. O ruim, era que ai, minha mãe pegou mania da minha avó, de não deixar eu ir pra outra vó.
Fatos superados... fatos superados.
Hoje moro em uma chacára muito doida, e tenho 17 anos.
E eu não escrevi tudo o que queria aqui hj.
Eu montei esse texto na minha cabeça ontem, quando me deitei pra dormir.
E eu sabia que hoje, ele não sairia como pensei ontem.
Enfim.
Tchau.


terça-feira, 22 de junho de 2010

Não sei.

Não sei.
Os dias andão passando muito lentos, chatos, sem graças.
Não sei.
Minha paciencia anda acabando, sumindo, indo embora.
Não sei.
Meu sorriso anda fugindo de meus lábios, o bom humor desaparecendo da minha cabeça, e o olhar com que tudo vê belo, escapando dos meus olhos.
Não sei,
acho que estou morrendo por dentro.
Não sei,
talvez eu precise de um tempo.

Fly away! Forever.


quinta-feira, 17 de junho de 2010

De saco cheio.


Eu como qualquer outra pessoa também fico de saco cheio.
Eu também tenho mal humos, por mais que as vezes, ele seja constante.
Eu também tenho ódio.
Eu também junto raiva.
E o meu maior sonho é fuzilar algumas pessoas.
Mas eu não posso.
Me considerariam um serial killer.
Eu realmente quero matar algumas pessoas.
Pessoas inúteis, pessoa idiotas, pessoas ridiculas, pessoas que me estressam e acabam com o meu dia.
Pessoas morféticas.

O estresse chegou.
O cansaço chegou.
A baixa auto estima chegou.

Escute, veja, sinta, não fale nada?
Não.
Escuto, vejo, sinto e EXPLODO!

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Gosto.

Eu gosto de escutar musicas tristes, em momentos tristes.
Eu gosto de tomar café da manhã com pão quente e requeijão.
Eu gosto de acordar com o despertador, e desliga-lo, só para dormir mais um pouco.
Eu gosto de acordar com chuva.
Eu gosto de dormir no frio.
Eu gosto de ficar horas no telefone, falando sobre qualquer coisa, com a pessoa que amo.
Eu gosto de dizer TE AMO.
Eu gosto de brincar de me olhar no espelho e fazer caras estranhas, ou somente me achar bonita.
Eu gosto de olhar pro céu.
Eu gosto de olhar pro céu entre galhos de arvores.
Eu gosto de comer quando tenho fome.
Eu não gosto de remédios.
Eu não gosto de comprimidos.
Eu gosto de vacina.
Eu não gosto de meninas que berram em vez de falar.
Eu gostaria de ter uma metralhadora para metralhar essas meninas.
Eu não gosto de leite com café frio.
Eu não gosto de ficar com meleca dura  no nariz.
Eu não gosto do calor na hora de ir pra escola.
Eu não gosto de dias muito frios.
Eu gosto de dias nublados.
Eu gosto de ver videos no youtube.
Eu gosto de escrever nesse blog.
Eu não gosto de pessoas interesseiras.
Eu não gosto de gente "rica".
Eu não gosto de figo.
Eu gosto das panquecas da minha avó Nair.
Eu não gosto de cigarros.
Eu gosto de me fazer cafuné.
Eu não gosto de pessoas que se acham.
Eu gosto de cavalos.
Eu nao gosto de largatixas.
Eu gosto de filmes romanticos.
Eu não gosto de vômitar.
Eu gosto de espirrar.
Eu gosto do meu namorado.
Eu não gosto das suas falecidas e amigas.
Eu gosto de batata Pringles.
Eu gosto de tomar banho com água bem quente, escutando música.
Eu gosto de José Gonzales.
Eu gosto do meu quarto.
Eu gosto do meu cabelo.
Eu não gosto das minhas costas.
Eu gosto de beijo.
Eu gosto de abraço.
Eu não gosto lugares cheios.
Eu não gosto de aftas.
Eu gosto de The Killers.
Eu gosto das coisas que gosto, e de não gostar das coisas que não gosto.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Alguns desejos.

Embora eu tenha alguns desejos, ou para ser sincera, eu tenha vários,
não são todos que consigo, ou que conseguirei.
Embora muitos desejos que envolvam segundas pessoas, fiquem fora de meu alcance, eu tento de todas as formas, fazer de alguma maneira, que me satisfação, nem que for por um dedinho só de alegria.
Embora, as vezes, seja dificil, me achar mais eu, ter a confiança que eu posso, que sou, e que sempre serei, a melhor que muitas outras; A insegurança toma conta de mim toda noite que deito em minha cama, toda volta que vejo coisas, pessoas, diferentes, e tento mudar mudar, mas sempre mudando com o medo de ter alguém pra me copiar.
Embora eu mude, me sinta melhor, me sinta única, eu ainda preciso fazer coisas extraordinárias pra convencer a todos que eu realmente SOU única.
E embora eu prove isso, sempre terá a segunda pessoa, que tentará ser eu, ou qualquer coisa do gênero...
Então, embora eu ache, na minha cabeça, que sou realmente assim, as pessoas vão passar a me ver como forma comparativa, da segunda pessoa que me copiou.
Embora tentemos muitas coisas, como já disse no começo da prosa, não são todas as coisas que conseguimos nem que vamos conseguir.
Mas a gente tenta.
Eu tento.

terça-feira, 25 de maio de 2010

Queria escrever um livro.

Embora eu não tenha lá muitos assuntos.
E embora lá também, muito menos paciência, pra escrever escrever.
Mas eu gosto disso.
Acho que eu não gostaria de escrever um livro.
Deve dar muito trabalho...
E deve ser muito chato, esperar que um dia ele faça sucesso, e exploda nas bibliotecas e blá blá!
Alias, eu não sou a doida que escreveu a história que vampiros brilham no sol.
Eu li toda a saga, e eu gamei no perfeito vampiro, que faz de tudo para proteger sua amada e não morde-la.
--'
Se eu fosse uma vampira, tivesse morta de sede pelo sangue de alguém, e esse alguém se sedesse, eu morderia.
Ué!
Coisa besta.
Por que iria passar sede?
A realidade é, que, é dificil ver pessoas fazendo coisas para outras de verdade.

obs: minha caixinha de som está dando interferencia, e meu celular não está tocando e nem vai.
Por que meu celular quando vai tocar, acende primeiro, tipo, "smartphones vem o futuro!" Premonição.

Tá. ok.


domingo, 23 de maio de 2010

Para reclamar/ Amigos.

Por que eu só reclamo da minha vida, dos meus dias e tudo eu desconto nesse blog!
O blog é meu!
E reclamar é o maior dom que o ser humano tem.
Reclama de barriga cheia, como adoram dizer por ai.
Reclamam por nada.
Reclamam até mesmo quanto tem que reclamar e reclamam demais.
Ou quando tem a necessidade de reclamar na hora certa, não reclamam.
=D
eu reclamo sempre, por que eu sou uma chata! insuportavel, nao calo a boca um minuto, só faço cobrança, sou ciumenta, não apoio nada pra nada. Sou a bruxa do 71, e é melhor vc tomar cuidado comigo, se não, posso te transformar em um sapo com manchas vermelhas e olhos azuis!


Amigos!
"Você é a unica pessoa que não tem amigo!"
Fala aiiiii pessoa cheia de amigos que amam vc e te fazem cobaia. uhuul, viva as cobaias da humanidade.
ahahaha.
Eu não tenho amigos viu?
Pra todo mundo ficar sabendo, que eu não tenho amigo nenhum!
Sou a pessoa mais sozinha do mundo e dependo de... mim mesma.
Eu converso com o espelho, com o gato, eu converso com gato!
As pessoas que conversam com gatos são consideradas loucas!
Cuidado, não se esqueça que sou uma bruxa e também posso te transformar em um gato!
Ai vou usar vc pra conversar, e você vai ter que escutar todas as minhas reclamações *-*

domingo, 16 de maio de 2010

Respirar / Fly away


Você rouba o ar. Você o solta.
Como se ele fosse seu presidiario.
Você o pega quando quer, o solta quando quiser.
Mas se você o segura-lo muito, ele te sufoca.
Se você fica muito tempo sem ele, você se sufoca também.
Mas você precisa dele.
Enquanto ele sai e entra do seu corpo, ele te faz bem.
Só não o segure.
Mas deixe sempre ele entrar.

As vezes ele é sujo, e mesmo assim você sente a necessidade de te-lo.
As vezes, raramente, ele é limpo, então você se sente limpa também.

Mas, sempre, você vai precisar dele, limpo, ou sujo.

É engraçado como precisamos das coisas que limpo ou sujo, que nos sufoca, ou não. Queremos.




Fly away.
Se eu tivesse asas voaria para longe, e talvez, não voltasse,por que no mundo onde estão, não há sobras que me interessem, tirando uma ou duas pessoas, que acompanham minha vida deste o momento que nasci.
E do resto, mais nada, mais nada eu levaria comigo.
Pois iria para um lugar onde a paz dominasse, onde tudo fosse claro, e quando chegasse a noite, tudo fosse com estrelas.
Eu faria do bem maior todas as coisas mais simples, eu faria do bem maior, uma simples formiga, eu faria do bem maior somente um olhar. Eu faria do bem maior tudo. Eu não deixaria nada de fora. Eu deixaria de fora todas as coisas que me fazem mal.
Fly away.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Carpe Diem. Odes- Horácio.

Tu não procures - não é lícito saber - qual sorte a mim qual a ti
os deuses tenham dado, Leuconoe, e as cabalas babiloneses
não investigues. Quão melhor é viver aquilo que será,
sejam muitos os invernos que Júpiter te atribuiu,
ou seja o último este, que contra a rocha extenua
o Tirreno: sê sábia, filtra o vinho e encurta a esperança,
pois a vida é breve. Enquanto falamos, terá fugido
ávido o tempo: Colhe o instante, sem confiar no amanhã.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Um ano mais velha.

"Como você está se sentindo um ano mais velha?"
Do mesmo modo como ontem ué.
Essas pergunta é clássica, será que as pessoas se auto perguntam isso no dia de seus aniverssarios?
17 anos.
E se eu pudesse escrever um livro?
Não teria tanta graça na verdade.

Obrigada pela presença de todos.

sábado, 24 de abril de 2010

Trouble.

No attorneys

To plead my case
No orbits
To send me into outta space
And my fingers
Are bejeweled
With diamonds and gold
But that ain't gonna help me now

I'm trouble
Yeah trouble now
I'm trouble ya'll
I disturb my town
I'm trouble
Yeah trouble now
I'm trouble ya'll
I got trouble in my town

You think your right
But you were wrong
You tried to take me
But I knew all along
You can take me
For a ride
I'm not a fool out
So you better run and hide

I'm trouble
Yeah trouble now
I'm trouble ya'll
I got trouble in my town
I'm trouble
Yeah trouble now
I'm trouble ya'll
I got trouble in my town


sexta-feira, 9 de abril de 2010

Doença.

Dói, aperta o peito, dispara o coração, gela o estomago, arrepia os pelos.
Arde, esquenta, o corpo se sente em chamas, a cabeça gira confusa, os olhos piscam sem pausa.
Congela. O corpo para, o nervoso atinge todas as partes, o ar falta, a boca cala, tudo congela.
Um puxão.
Então o cheiro invade as narinas. As mãos começam a ter contato com pele, com roupas.
O corpo se une.
O corpo para.
Se encaixa em outro corpo.
O aperto do abraço, o aroma do perfume, a textura do cabelo, o quente da pele por dentro.
Mas primeiro, começa com o susurro, do baraulho.... do que sai do escapamento.
E faz todos os meus sentidos perderem o juizo.
Todas as vontades veem á flor da pele.
Tudo fica dentro de uma outra esfera, que me separa de tudo, de todos.
Deita, sente o corpo grudar um ao outro.
Chega, as bocas se torna um só lábio.
Faça,
e todo o amor transborda pela cama, nus, quentes, e amados.

O Bobo beijou a Boba, conteve contribuição, e assim como arroz e feijão, continuas na beijação,
a perfeita combinação.

sábado, 3 de abril de 2010

Beba.

Beba.
Tenha doenças.
Vá atrás de quem você quiser.
Viva!
"Irei seguir a minha vida!"
Siga.
Me esqueça então.
Me esqueça de uma vez.
Não, não diga: "irei te esquecer!"
E me ligar após trinta minutos.
Não.

As pessoas tem o grave problema de não cumprir o que falam.
As pessoas tem o grave problema de amarem e não assumirem de forma útil e agradavél.
As pessoas tem o grave problema de agirem como macacos.
Inteligentes mas irracionais.
As pessoas tem o grave problema de colocarem palavras dentro da boca de outras pessoas.
Pare! Pense!
Veja, olhe para si mesmo, e enxergue o quão infantil você foi e está sendo.
Viva sua vida nova de menino de vinte e dois anos com mentalidade de uma criança de quinze.

Parabéns.
Você me surpreendeu novamente.

 L.M.B.P.

terça-feira, 23 de março de 2010

Um monte de besteiras.

E simplismente esse titulo sem sentido no momento veio em minha cabeça.
Tudo bem, pode ser que daqui alguns minutos, ele faça sentido.
Por que as pessoas gostam tanto de ignorar as que gostam delas?
Por que largar? Pra depois implorar pra voltar?
Por que deixar de fazer uma coisa por preguiça?
Para depois fazer tudo correndo?
Por que não estudar?
Pra depois se ferrar na prova, e arrumar todas as maneiras de fazer uma cola?

As pessoas se esquecem de serem práticas.
As pessoas se esquecem de fazerem coisas simples, ou melhor, elas não fazem pra.. "deixa pra depois".
As pessoas se esquecem de dizer TE AMO, pra depois, não dormirem muito bem, ou ficarem se corroendo de saudades.

Por que não lavar um copo sujo? Pra depois ter que lavar uma pilha de louça.
Por que não tomar um banho cedo em um dia frio? Para depois ter que tirar sua meia quente e por seu pé no gelo que fica o chão do banheiro, sair tremendo, se enrolar tanto na toalha a ponto de não querer tira-la para por a roupa.
Por que não sair da internet cedo? Para perder a hora do trabalho, da escola, na manhã seguinte.

As pessoas são inúteis.
São inúteis para fazer suas coisas, inúteis para agradecer o que fazem por ela, inúteis para amar, inúteis para mostrar seus gostos e seus sentimentos, inúteis até mesmo para seguirem suas vidas.

E elas conseguem fazer de suas vidas uma coisa tão deprimente, para depois ficar escrevendo em um blog como esse, que ngm ao menos sabe que existe.

E isso não é irônico? Você não acha?


As vezes acho que as pessoas se esquecem de serem pessoas.
Ou elas são pessoas mesmo... são HUMANOS.






ps: por que eu gosto do Snoop. ;)